Instagram Widget

Features

Facebook identifica empresa israelense que espalhou fakenews nas eleições brasileiras

Archimedes Group chegou a investir cerca de US$ 800 mil em anúncios mentirosos, pagos nas moedas dólar, shekels israelenses e em real brasileiro

Jornal GGN – O Facebook detectou uma empresa israelense que trabalhava espalhando Fake News em processos eleitorais de todo o mundo, inclusive no Brasil. Atuando há mais de 15 anos, o Archimedes Group chegou a investir cerca de US$ 800 mil em anúncios mentirosos, pagos nas moedas dólar, shekels israelenses e em real brasileiro.

Enquanto isso, a Justiça Eleitoral do Brasil decidiu há pouco que o sigilo sobre as apurações do Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições referente às eleições do ano passado só devem ser reveladas daqui a 4 anos: em 2023 [leia aqui].

De acordo com reportagem da Reuters e da agência AP News, o grupo israelense atuou desde 2002 até recentemente: “Investigações no Facebook revelaram que Archimedes gastou cerca de US $ 800.000 em anúncios falsos, pagos em reais, shekels israelenses e dólares americanos. Gleicher disse que os anúncios enganosos datam de 2012, com a atividade mais recente ocorrendo no mês passado”.

Aqui, a íntegra da reportagem:

JERUSALÉM (Reuters) – O Facebook anunciou na quinta-feira a proibição de uma empresa israelense que realizou uma campanha de influência com o objetivo de interromper as eleições em vários países e cancelou dezenas de contas envolvidas na disseminação da desinformação.

Nathaniel Gleicher, chefe da política de segurança cibernética do Facebook, disse a repórteres que o gigante da tecnologia eliminou 65 contas israelenses, 161 páginas, dezenas de grupos e quatro contas do Instagram.

Embora o Facebook tenha dito que os indivíduos por trás da rede tentaram esconder suas identidades, descobriu que muitos deles estavam ligados ao Archimedes Group, uma empresa de consultoria política e lobby que se orgulha publicamente de suas habilidades de mídia social e capacidade de “mudar a realidade”. ”

“É uma verdadeira empresa de comunicações que ganha dinheiro através da disseminação de notícias falsas”, disse Graham Brookie, diretor do Digital Forensic Research Lab no Atlantic Council, um grupo de estudos que colabora com o Facebook para expor e explicar campanhas de desinformação.

Ele chamou a comercialização de táticas de Arquimedes mais comumente ligada a governos, como a Rússia, uma tendência emergente – e preocupante – na disseminação global da desinformação das mídias sociais. “Esses esforços vão muito além do que é aceitável em sociedades livres e democráticas”, disse Brookie.

Gleicher descreveu as páginas como conduzindo “comportamento não autêntico coordenado”, com contas postando em nome de certos candidatos políticos, manchando seus oponentes e apresentando-se como organizações de notícias locais legítimas, vendendo informações supostamente vazadas.

“Nossa equipe avaliou que, como esse grupo é organizado principalmente para conduzir um comportamento enganoso, estamos removendo-os da plataforma e impedindo-os de voltar”, acrescentou ele.

A atividade parecia focada nos países da África subsaariana, mas também estava espalhada em partes do sudeste da Ásia e da América Latina, o que Brookie chamou de “diversidade impressionante de regiões” que apontavam para a sofisticação do grupo.

As páginas falsas, empurrando um fluxo constante de notícias políticas, acumularam 2,8 milhões de seguidores. Milhares de pessoas manifestaram interesse em participar de pelo menos um dos nove eventos organizados por aqueles que estão por trás das páginas. O Facebook não pôde confirmar se algum dos eventos realmente ocorreu. Cerca de 5.000 contas juntaram-se a um ou mais grupos falsos.

Gleicher disse que os relatos enganosos visam principalmente influenciar pessoas na Nigéria, Senegal, Togo, Angola, Níger e Tunísia.

O envolvimento do público mais significativo foi gerado na Malásia, que tem um vasto mercado de mídia e realizou uma eleição geral no ano passado, de acordo com Brookie e sua equipe no Atlantic Council.

Investigações no Facebook revelaram que Archimedes gastou cerca de US $ 800.000 em anúncios falsos, pagos em reais, shekels israelenses e dólares americanos. Gleicher disse que os anúncios enganosos datam de 2012, com a atividade mais recente ocorrendo no mês passado.

O Facebook compartilhou alguns exemplos do conteúdo falso, incluindo um post zombando do candidato presidencial congolês de 2018, Martin Fayulu, por ter falhado nas eleições que levaram Felix Tshisekedi à vitória. Muitos governos e grupos de vigilância condenaram as eleições como manipuladas e declararam Fayulu o legítimo vencedor.

Dada a variedade geográfica das operações de Arquimedes, “é impossível determinar um único fio ideológico”, disse Brookie. “Eles não estavam empurrando exclusivamente o conteúdo de extrema direita ou anti-globalista. Parece ser um caso claro de disseminação da desinformação por meio de incentivo econômico ”.

Ele acrescentou que as páginas ligadas a Arquimedes foram retiradas da cartilha de interferência russa na eleição presidencial de 2016, com mensagens amplamente amplificadas, mas personalizadas, direcionando potenciais eleitores e “criando um espectro de informações vazadas”. A maioria das contas do impostor compartilhava uma tática chave: um defensor de um determinado candidato e depois compartilhar opiniões que os defensores reais considerariam ofensivas.

O Facebook vem sendo pressionado para enfrentar de maneira mais sólida e transparente a desinformação que visa semear divisão e confusão em torno das eleições, desde a revelação de que a empresa demorou a detectar e reagir à interferência da eleição russa.

A divulgação de quinta-feira, que o Facebook apontou como prova de sua aceleração do “progresso para erradicar o abuso”, ressaltou até que ponto os atores privados estão aproveitando a plataforma para se intrometer nas eleições e mais amplamente aproveitar o “crescente mercado de desinformação”, disse Brookie.

Mas os esforços da empresa para combater contas falsas são “feitos com muita pressa”, disse Jonathan Klinger, do Movimento Israelense de Direitos Digitais, e se Archimedes tiver ligações legítimas com partidos políticos e candidatos, o Facebook pode esperar uma batalha legal.

Em seu site, Arquimedes, que se apresenta como consultor envolvido em campanhas para as eleições presidenciais, não esconde seus esforços para manipular a opinião pública. Pelo contrário, a empresa anuncia isso.

O site, com uma montagem de fotos da África, América Latina e Caribe, orgulha-se de seu “campo único dentro da mídia social” e seus esforços para “aproveitar todas as vantagens disponíveis para mudar a realidade de acordo com os desejos de nossos clientes. .

Pouca informação está disponível além de seu slogan, que é “ganhar campanhas em todo o mundo”, e uma vaga sobre o software de “gerenciamento de mídia social em massa” do grupo, que permitiu a operação de um número “ilimitado” de contas online.

Uma mensagem em busca de comentário da empresa não foi imediatamente devolvida.

O presidente-executivo da Archimedes é Elinadav Heymann, de acordo com a consultora suíça Negotiations.CH, onde ele é listado como um dos consultores do grupo.

Uma biografia publicada no site da empresa descreve Heymann como ex-diretor do grupo de lobby Friends of Israel, sediado em Bruxelas, ex-conselheiro político do Parlamento de Israel e ex-agente de inteligência da Força Aérea israelense.

Heymann não retornou mensagens deixadas com Daniel Hardegger, diretor administrativo da Negotions.CH. Logo após a Associated Press entrar em contato, Hardegger disse que Heymann solicitou que sua biografia fosse removida do site.

Nenhum comentário

Atthrox Participações é um activities alphabet brasileiro ;crescendo com sua participação!

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Atthrox Participações. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. A Atthrox Participações poderá retirar, sem prévia notificação, os comentários que não respeitarem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Random Posts

randomposts
fb.me/atthroxpar