Instagram Widget

Features

PM e ex-PM são presos suspeitos de matar Marielle Franco e motorista

Força-tarefa afirma que Ronnie Lessa atirou contra vereadora e que o ex-militar Élcio de Queiroz dirigia o carro; investigação quer esclarecer quem foram os mandantes do crime

Policiais da Divisão de Homicídios da Polícia Civil e promotores do Ministério Público do Rio de Janeiroprenderam, na madrugada deste terça-feira (12), dois suspeitos dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Segundo a denúncia, o policial militar reformado Ronnie Lessa teria feito os disparos, enquanto que o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz dirigiu o carro que perseguiu as vítimas.
A investigação, segundo reportagem do G1, ainda tenta esclarecer quem foram os mandantes do crime. De acordo com a denúncia, “é inconteste que Marielle Francisco da Silva foi sumariamente executada em razão da atuação política na defesa das causas que defendia”. Os assassinatos  completam um ano nesta quinta-feira (14).
Os dois suspeitos estavam saindo de casa quando foram presos pela operação, e não resistiram à prisão. De acordo com informações do G1, Lessa estava em sua casa em um condomínio na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, o mesmo onde o presidente Jair Bolsonaro tem residência. Élcio estava em casa, na Rua Eulina Ribeiro, no Engenho de Dentro.

Suspeitos pesquisou itinerário de Marielle

Os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) disseram, segundo o G1, que o crime foi meticulosamente planejado por pelo menos três meses. A investigação identificou que Lessa fez pesquisas na internet sobre os locais que Marielle frequentava. Ele também pesquisava, desde outubro de 2017, a vida do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL), ex-chefe da vereadora.
Reportagem da Folha de S.Paulo, desta terça, aponta que Lessa entrou na lista de suspeitos após ser vítima de uma emboscada, em 28 de abril. A suspeita seria que pessoas envolvidas no crime teriam tentado promover uma queima de arquivo. Ainda de acordo com a publicação, os dois suspeitos  também foram denunciados por tentativa de homicídio da assessora de Marielle que sobreviveu ao atentado.
À Folha, a vívua de Marielle, Mônica Benício, disse que as prisões desta terça são um importante passo das investigações, mas lamentou que a principal dúvida não foi esclarecida – quem mandou matar a vereador. “Não basta prender mercenários, é importante saber quem mandou articular tudo isso e qual foi a motivação”, afirmou.
Mônica também criticou a demora na solução do caso, uma vez que se trata de um crime político com repercussão internaciona. “Lamentável que a gente chegue a uno ano para poder responder a esta primeira etapa, que é importante, mas que não é principal”, disse.
Marcelo Freixo disse, ao G1, que apesar das duas prisões, o crime “não está resolvido”. O parlamentar também questiona quem mandou matar a vereador e o motorista. “São prisões importantes, são tardias. É inaceitável que a gente demore um ano para ter alguma resposta. Então, evidente que isso vai ser visto com calma, mas a gente acha um passo decisivo.
“Mas o caso não está resolvido. Ele tem um primeiro passo de saber quem executou. Mas a gente não aceita a versão de ódio ou de motivação passional dessas pessoas que sequer sabiam quem era Marielle direito”, disse.

Nenhum comentário

Atthrox Participações é um activities alphabet brasileiro ;crescendo com sua participação!

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Atthrox Participações. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. A Atthrox Participações poderá retirar, sem prévia notificação, os comentários que não respeitarem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Random Posts

randomposts
fb.me/atthroxpar